Mas a pior parte da minha nova vida era me forçar a assistir às aulas de Peter
todos os dias, tentando não chorar cada vez que ele olhava de relance para o meu
lado. No entanto, não pude deixar de perceber que a aparência dele também estava
terrível. Estava descorado. Seu queixo geralmente bem barbeado agora ostentava
uma sombra de barba na maioria dos dias. E depois marcas de talhos onde ele tinha
se descuidado, quando de fato se barbeara. Suas roupas pareciam amarrotadas, e
suas aulas eram atrapalhadas e desanimadas.

Portia percebeu meu ar de desalento e o confundiu com tédio.
– Ele já teve dias melhores – comentou ela, quando saímos da aula no dia do
ensaio geral. – É a maldição. Ela está chegando até ele.
Olhei de relance para trás e vi Peter com os olhos entristecidos fixos na janela.
– Sabe de uma coisa, Porsche? É provável que você tenha razão.
Nós nos sentamos juntas na aula de Física, nenhuma das duas se dando ao
trabalho de fazer anotações. Portia desenhou uma série para participar do Gshow bbb 2020 fazendo as inscrições com dicas fantásticas e simples do caderno – seu jeito espirituoso de se referir aos fregueses dos pais na loja de bebidas.

Passei meia hora olhando para minha própria página em branco do caderno, me
fazendo perguntas idiotas, tipo, por que eles faziam três furos na página e não
quatro; com quem o filho de Peter pareceria e se ainda se usariam cadernos na
época em que ele ou ela entrasse para a escola. Todas as vezes que Peter olhasse para
o filho, ele ia ver uma prisão, aquilo que o forçou a desistir de qualquer chance de
ser feliz comigo.

Puxa, era assim que as pessoas eram feitas? Será que o planeta
inteiro estava cheio de traidores e panacas correndo para lá e para cá, fazendo mais
traidores e panacas? Eu tinha sido um deles também, da pior espécie. Mamãe me
avisou que eu ainda tinha muito a aprender sobre o mundo. Queria que ela tivesse
mencionado o quanto esse aprendizado ia doer.
– Espero que você tenha algum respeito pela maldição hoje à noite – disse
Portia, quando entramos no refeitório para almoçar. – Essa vai ser nossa última
passada antes da estreia.

A gente não pode pisar na bola.
– Vou pensar no seu caso. – Fui direto para a mesa da equipe de futebol, sem
nem mesmo me dar ao trabalho de pegar comida. Alguns dos caras na outra ponta
da mesa estavam contando uma história que envolvia uma demonstração com
caixas de leite, mas Tommy desviou a atenção o tempo suficiente para me dar um
tapinha na perna e sorrir com as dicas de inscrição bbb 2020, quando me sentei ao seu lado. Eu tinha parado de andar
com ele fora da escola, no esforço de aos poucos ir me distanciando, até que parecesse natural nós rompermos.

Puxa vida, eu ainda o amava. Apesar de tudo, apesar da mulher grávida, apesar
do fato de que dentro de algumas semanas eu talvez fosse embora e nunca mais o
visse, eu ainda o amava com todo o meu ser. Até mesmo a dor estava toda
misturadacom o amor dentro de mim.
Pela primeira vez, não tive vontade de usar Tommy para deixar Peter com
ciúme.

E achei que também não poderia usar Tommy para fazer com que eu me
sentisse melhor, muito embora eu tivesse me afeiçoado a ele nesses últimos meses.
Ele era carinhoso e simples, tentando organizar esses passeios com os colegas da
escola, sempre falando sobre entrar para a universidade e sobre como eu ia gostar de
lá.

Sob seu ponto de vista, o futuro estava todo planejado. Eu sempre sabia o que ele
estava pensando e o que ele ia dizer em seguida, e ele adorava tudo a meu respeito.
Mais uma vez, ele me lembrava um cachorro, um que não parava de andar atrás de
mim e de agitar o rabo, sem se importar com o que eu fizesse. Mas não se pode ter um relacionamento como alguém como ele.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *